segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Àquela que dorme








 



Eu te amo como quem ama um ao outro
numa forma como quem forma do homem a mulher
com quereres como quem querere não morrer no vento
num som de suspiro como quem suspira frio e solidão.

Como que se fosse única a vez eu uso única
sua tez como se fosse nunca mais te tocar
como se fosse você sempre daqui pra sempre nunca
mais eternidade perto de mim como quem deixa frio e solidão.

Tenho fúria como quem lapida pedra e cristal em imagem
e semelhança parecer tão fogo o corpo, tão corpo o fogo
em um amor numa forma com quereres num som de suspiro.

Tenho lentidão como fosse morte perene todo gesto nosso
parecendo não ter amor que me reconheça na memória
como fosse única sua tez, e fosse você sempre eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...