quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Conveniência




Convém dizer que os sonhos não morrem,
mas que são povoados de figuras sem paisagem:
como trouxesse numa fita um recorte, morro somente
por aquilo que quero morrer, pelo desejo de perda
e desejo de posse tanta, por aqueles que morrem.

Existe na escuridão da linha em branco passagem,
feita de traço, formando no poema acidente,
construindo a razão e a função de todos os sucessos
que passam por nós e nos tocam com azar ou sorte
os sentidos e a alma, do fio do cabelo à boca do estômago.

E o que fazemos, e o que deixamos, é um sonho para ser
aperfeiçoado em figuras em série, de paisagem branca
recorte de traço, morte de tudo, como num ciclo
semente de vida, mero acidente, seqüência de ganho
mais sonho de perda, passagem sem linha e dizer de posse
pois convém dizer que os sonhos não morrem jamais.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...