quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Um amor para os livros



Foge-me as linhas do teu rosto,
não mais é encanto o meu amor
senão uma inconformada desilusão
de perder-te: coito imaginário.

E a cada dia que eu não te vejo
procuro lembrar o desenho facial,
e o corpo sereno para meu prazer
desesperado, porque foges sempre.

E se não chego a uma definição
saiba que não te vejo como eras
mas como és, minha ilusão...
ainda um encontro suspenso no ar.

E eu desejo colher esta flor tua,
desabrochar-me neste desejo,
e, depois, ter uma pétala guardada
entre as páginas de um livro.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...