sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Realidade




Que sono pesado é este,

que me pesa nas costas,
que me vem por trás
neste sonho fugaz
que suponho sonhar
por supor demorar
na mais louco torpor,
entrar na minha noite,
parecer não mais terminar
num corte de foice
quando vai-se a vida
neste rumo afoito
para sempre depois da vida...

Entro na noite
com a boca que me quer peito
com mãos que me querem coito,
vou-me embora às oito
com pés que me querem terra,
terra que me quer morte,
morte para hoje e a eternidade,
eternidade, esta que me quer vida.


Um comentário:

  1. Oi!

    Vi seu blog na comunidade "Nova Literatura" e entrei. Gostei! Parabéns! Seu estilo é bastante peculiar. Tem uma ponta de concretista, é muito interessante.

    Voltarei, virei visita! :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...